“Espelho” meu…“Espelho” teu.

wikileaks.partidopiratapt.eu

“Espelho” meu…“Espelho” teu.

A recente divulgação de novos documentos por parte do site de fugas de informação Wikileaks colocou os políticos habituados à diplomacia por obscurantismo de cabeça perdida e a secretária de estado Hillary Clinton a fazer contactos de ultima hora antes da divulgação, de certo a pedir desculpas por “inconveniências” que se iriam saber.

Apesar de mais uma vez ter havido tentativas de colaboração com o governo dos EUA para remoção de informação sensível, a resposta foi invariavelmente negativa e agressiva.

Desta vez no entanto, e através de uma estreita colaboração com orgãos de comunicação social respeitados como o Le Monde, o El Pais, o The Guardian, o Der Spiegel e o The New York Times, com os quais partilhou toda a informação disponível, o Wikileaks tentou mitigar as criticas do passado deixando que os jornalistas profissionais de politica internacional desses orgãos escolhessem a informação com maior relevo, filtrando nomes e pontos mais sensíveis, para posterior divulgação nos seus jornais em simultâneo com a colocação no site do Wikileaks.

Mesmo assim a exposição indesejada alimentou a fúria de políticos e seus pares, habituados ao conforto do secretismo que encobria as suas acções, e neste momento eles tentam por todos os meios pôr cobro à ameaça que o Wikileaks representa ao seu poder instituído.

As companhias que disponibilizavam serviços ao Wikileaks estão uma após outra a sucumbir às pressões e a privar-lhe o uso desses mesmos serviços. Desde a EveryDNS, que disponibilizava o nome de domínio do Wikileaks, passando pela Amazon que acolhia o conteúdo do site, até à Paypal que recebia os donativos.

Se no caso da EveryDNS a desculpa de que os ataques distribuídos de negação de serviço (DDOS) impactavam a sua própria infraestrutura pode ser compreensível, já nos casos da Amazon e da PayPal as suspeitas de pressões governamentais é gritante.

A Amazon alega que o fêz porque o Wikileaks não é proprietário do copyright do conteúdo disponibilizado (ao mesmo tempo que se aproveita de conteúdo alheio para promover as suas próprias vendas copiando os conteúdos da Wikipédia). Se esta fosse realmente a razão já o teria feito antes e não seria necessário informar o staff do Senador Joe Lieberman, o “chairman” do “Homeland Security and Governmental Affairs Committee”, da decisão de banir o Wikileaks. Mas tais procedimentos indiciam que esta acção foi forçada pelo governo Norte Americano, que não se coíbe de exigir o mesmo a todas as outras empresas nacionais ou estrangeiras que tenham ligações com o Wikileaks.

Apenas dois dias após a Amazon, também a sua congénere PayPal chegou à conclusão que o Wikileaks não cumpria os seus termos de uso. A fama da PayPal no tratamento abusivo dos seus clientes, congelando contas sem razão aparente, é bem conhecida, mas torna-se por mais evidente que neste caso não há coincidências e o critério é por certo originário nos gabinetes de Washington.

O que os políticos de Washington não perceberam, nem o seu pessoal lhes parece saber ensinar, é o mesmo que a industria das MAFIAA‘s anda há 10 anos a não querer entender com a lição que deviam ter aprendido no caso do Napster.

A industria musical, ao deparar-se com uma mudança de paradigma, em vez de se adaptar à nova realidade decidiu combater o que considerou um inimigo e não uma nova oportunidade de negócio. Eventualmente conseguiu destruir o pioneiro de uma nova era e o Napster fechou. Mas quando algo cativa realmente as pessoas não se consegue pôr o génio de novo na lâmpada, e no lugar de um surgiram múltiplos serviços similares ou melhores. Na sua cegueira passaram os últimos 10 anos a encerrar “descendentes” do Napster sem conseguirem entender que sempre que conseguem fechar uma porta dez janelas se abrem no seu lugar.

O que os governos, nomeadamente o dos EUA, estão a tentar fazer ao Wikileaks é exactamente o mesmo e vai ter exactamente o mesmo resultado.

As massas provaram o sabor da transparência, mesmo que por portas travessas, e sentiram o cheiro a podre que está por trás de muitos governos e do modo como estes nos governam pela mentira, nos levam a guerras forjadas, a crimes de guerra ocultados, a negociatas diplomáticas para favorecer grandes grupos económicos, a violações dos direitos humanos, a um universo de podridão moral em que os senhores do mundo chafurdam de sorriso na cara com apertos de mão e palmadinhas nas costas em cimeiras e jantares diplomáticos.

Os governos deste mundo deviam preocupar-se mais em não ter podres para esconder do que a tentar destruir quem os expõe, a tentar uma diplomacia de verdade, confiança e bom senso em vez de uma diplomacia de guerra fria pejada de mentiras, dissimulações e traições.

O ataque ao Wikileaks está a roçar o ridículo e a administração Obama está a repetir os mesmos erros do passado da administração Bush. Erros como a tentativa de queimar na praça publica a ex-agente da CIA Valerie Plame Wilson de modo a desacreditar o seu marido, o ex-embaixador Joseph C.Wilson, por este ter revelado publicamente que alguns relatórios sobre armas de destruição maciça, nos quais se baseou a decisão de travar a guerra do Iraque, eram falsos e que a Casa Branca sabia disso. Aliás, está actualmente em exibição nas salas de cinema Portuguesas o filme Fair Game (Jogo Limpo) que conta em detalhe os factos sobre este caso que é emblemático do modo como estes assuntos são tratados pela maquina governamental americana.

Desta feita o visado é o fundador e cara visivel do Wikileaks, Julian Assange, que convenientemente tem vindo a ser alvo de uma campanha de intimidação e desacreditação com os típicos truques baixos perpretados por agentes dissimuladas das secretas deste mundo. Uma campanha com tácticas que incluem acusações empoladas para o nível da violação (que na realidade nada têm a ver com isso) a emissão de um mandato de captura internacional pela Interpol como se de um perigoso mafioso se tratasse (e que afinal só foi pedido porque a lei Sueca não permite que se prestem depoimentos não presenciais), o congelamento dos seus fundos de defesa em países supostamente neutrais, chegando até às ameaças de morte por parte de alguns políticos e afiliados entre outras.

Ao demonizarem o representante e, na sua retórica, equipararem o Wikileaks a uma organização terrorista, os EUA correm o risco de inadvertidamente criarem um mártir caso algum estado que ladre menos e morda mais decida realmente tomar medidas extremas contra Julian Assange.

No seu desespero os EUA estão a recorrer a tácticas similares às usadas pela China e que antes tão avidamente criticaram, incluindo o bloqueio do Wikileaks em redes do estado, mesmo que de uso publico, a intimidação das suas próprias tropas para que não o consultem (talvez com receio que percebam que estão a travar uma guerra construída à base de mentiras), e até a ameaça a estudantes, cujo mercado de trabalho esteja focado no sector do estado, de não virem a conseguir um emprego caso discutam o assunto nas redes sociais.

Talvez um dos documentos Chineses que aparece na fuga e que indica que a China vê a Internet como algo controlável esteja a dar confiança e a abrir o apetite à vontade de censura crescente por parte dos governantes dos EUA, mas no fundo estão a cometer o mesmo erro que as MAFIAA’s cometeram há 10 anos atrás.

Os primeiros sinais disso mesmo estão já em marcha, com promessas de novos sítios similares a caminho, com espaços já reservados, e a descentralização em massa do Wikileaks, que conta já com uma extensa lista de clones.

Posto tudo isto, vendo que a censura do Wikileaks se começa também a espalhar a Portugal, e tendo em conta os valores que defende a favor da Transparência e contra a Censura, tanto na Internet como fora dela, o Partido Pirata Português não podia agir de outro modo e decidiu aliar-se ao movimento anti-Censura passando também a disponibilizar um “espelho” de ligação ao Wikileaks por DNS no sub-domínio:

http://wikileaks.partidopiratapt.eu

Terminamos com dois vídeos a ver com atenção:

Opinião de um dos grandes lideres americanos do passado
sobre o valor da transparência e os males do secretismo e obscurantismo.
Um defensor da liberdade de expressão também ele silenciado…


Entrevista com Julian Assange no TED sobre a importância da Wikileaks


Comentários

3 comentários de “Espelho” meu…“Espelho” teu.

  1. Pingback: Tweets that mention “Espelho” meu…“Espelho” teu. | Movimento Partido Pirata Português -- Topsy.com

  2. Pingback: Power to the people « erroneous thoughts

Deixe um comentário

Hinweis: Durch Bereitstellung der Kommentierungsfunktion macht sich die Piratenpartei nicht die in den Kommentaren geschriebenen Meinungen zu eigen. Bei Fragen oder Beschwerden zu Kommentaren wenden Sie sich bitte über das Kontaktformular an das Webteam.

Deine E-Mail-Adresse wird nicht veröffentlicht. Erforderliche Felder sind markiert *

three × two =

 

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Mais informações

Login

Assinaturas

No Data